Os pecados secretos da economia

McCloskey, Deirdre
UBU

54,90

Estoque: 7

Neste manifesto para uma plateia interdisciplinar, a economista e historiadora Deirdre McCloskey coloca em xeque o modo como a economia vem produzindo dados e gerando conhecimento nas últimas décadas. Com seu tom provocador, perpassado por ironias e alfinetadas, McCloskey parte do princípio de que as pesquisas econômicas recentes foram incapazes de produzir uma “investigação inteligente” porque esquecem de olhar ou esquecem de pensar o mundo. Na confusão entre teoremas qualitativos e significânc ia estatística, em meio a um binarismo superficial, o que a economia teria perdido é justamente o vínculo com a realidade – isto é, o fato de que o mundo dos números, dos conceitos e dos planos econômicos, da taxa de juros, da inflação, do Bolsa Famí lia ou da reforma da Previdência, impacta a vida de cada um de nós. Essa discussão sobre os limites da ciência econômica, no entanto, não se restringe a especialistas ou a esclarecidos. A linguagem de McCloskey é clara, e os exemplos são tomados do cotidiano, de modo que o leitor – qualquer que seja seu universo – poderá se divertir, se irritar e certamente refletir com as colocações dessa grande intelectual que se define como “uma mulher do meio-oeste que já foi um homem, pós-moderna, amante d a literatura e da estatística, defensora do livre mercado, uma progressista episcopal de Boston”. Com notas do economista Luciano Sobral, que situam o leitor na constelação de economistas e suas teorias, o livro condensa alguns argumentos fundament ais para compreender os limites de um modelo de pensamento que vem sendo difundido há mais de meio século, notadamente pela Escola de Chicago, cujos professores e ex-alunos já somam mais de 29 Prêmios Nobel de Economia. Sem negar a importância da ciê ncia econômica clássica ou do pensamento liberal dos economistas britânicos, como Adam Smith, Deirdre McCloskey tenta levar a discussão a um outro patamar, para além de posições políticas enrijecidas – afinal, como ela diz, há muito trabalho a ser re feito.