Imagem

Lucia; Noth, Winfried
ILUMINURAS

98,00

Estoque: 9

Fazia falta entre nós um volume como este, capaz de dar conta da problemática dos signos visuais ou audiovisuais em toda sua extensão, profundidade, e variabilidade, ao mesmo tempo em que passa em revista as principais correntes teóricas que examinar am isso que chamamos de representação por imagens. No contexto das atividades práticas, críticas e acadêmicas, é muito comum ver como as imagens parecem resistir à análise e produzir toda sorte de discursos gaguejantes e desarticulados. Que m convive, como nós, em ambientes intelectuais que têm a imagem como matéria de investigação, já deve ter se acostumado à hegemonia daquilo que Lucien Sfez chamou, num outro contexto, de tautismo — contração de tautologia e autismo —, uma e xótica modalidade retórica baseada no princípio do “repito, logo demonstro”. A dificuldade de submeter a imagem ao exame analítico e à investigação científica tem produzido, aliás, perigosas teorias sobre o inefável, ou sobre a suposta irredutibilida de das imagens ao discurso verbal, perigosas porque, em geral, servem de justificativa à letargia e à preguiça mental. Este livro de Santaella e Nöth chega no momento certo, para lançar um pouco de luz no terreno movediço das chamadas comunicações vi suais. Ele reúne um conjunto de reflexões que funciona, ao mesmo tempo, como fundamentação teórica e instrumental analítico para uma abordagem séria das imagens, além de oferecer também todas as luzes necessárias para permitir discriminar entre as vá rias acepções, categorias e estados dos signos visuais. Claramente fundamentado nas ideias de Charles S. Peirce, o que lhe garante uma sistematização e uma coerência teórica raramente encontradas na bibliografia pertinente ao assunto, o livro abre-se também para a discussão de problemas filosóficos relevantes no plano do pensamento contemporâneo, como as questões da verdade, das representações internas (mentais), da mediação tecnológica, da intervenção das mídias na cultura atual, ou das intrinc adas relações entre imagem e linguagem verbal. Agora, ninguém mais vai poder justificar atitudes de estupefação ou de impotência teórica diante de uma imagem, menos ainda repetir chavões surrados sobre uma suposta esterilidade conceitual da “civiliza ção das imagens”. Imagem: cognição, semiótica, mídia é a melhor demonstração de como pode ser eloquente esse fenômeno aparentemente inefável a que chamamos imagem. Arlindo Machado