BOX - HISTÓRIA DA LITERATURA OCIDENTAL, 3 VOLS. (CARPEAUX)

OTTO MARIA CARPEAUX
SETIMO SELO

459,90

Estoque: 4

"Considerada a melhor obra do gênero, a História da literatura ocidental de Otto Maria Carpeaux apresenta uma narrativa do desenvolvimento da literatura desde as suas origens greco-latinas até à modernidade. Escorado nos grandes críticos e historiadores, Carpeaux apresenta ao leitor não só os maiores escritores da literatura ocidental, como também as suas respectivas épocas, delineando o drama íntimo e histórico das idéias que corriam como que por baixo de suas manifestações literárias. É um livro essencial para todos os estudiosos e amantes de literatura, e para todo aquele que deseja compreender e apreciar ainda mais a cultura e a literatura do Ocidente. No primeiro volume, Carpeaux parte da literatura greco-romana e do mundo cristão para discutir o “humanismo europeu”, que constitui a transição para um novo e de certa forma mais verdadeiro começo: a fundação da Europa. Depois, percorre as expressões literárias da Idade Média e analisa o Renascimento e a Reforma: de Dante, Petrarca e Boccaccio a Erasmo e os humanistas cristãos, entre outros. Por fim, faz a exegese do Barroco e do Classicismo no mundo ocidental: a poesia e o teatro da contra-reforma, as pastorais, as epopéias, a epopéia herói-cômica e o romance picaresco, comentando assim autores como Cervantes, Góngora, Shakespeare e Molière. No segundo volume, ao analisar o desmoronamento da estrutura dogmática do estilo de pensar comum à Idade Média, à Renascença e ao Barroco, Carpeaux delineia as etapas revolucionárias que vão do Iluminismo e do Romantismo até à “época da classe média”. Analisa primeiro o rococó, de Bocage a Pietro Metastasio, mostrando a influência das filosofias de Hobbes, Locke e Vico; depois a Arcádia e a poesia anacreôntica; o classicismo racionalista do século de Voltaire; o pré-romantismo de Diderot a Rousseau; e o último resquício de classicismo presente em autores como Alfieri, Ugo Foscolo, Goethe e Schiller. Uma vez delineadas as origens do Romantismo, mostra as diferentes facetas desse movimento: o Romantismo de evasão, de Scott e do romance histórico, o Romantismo de oposição, de Byron a Victor Hugo e Dickens, e o fim do período, do movimento de Oxford à ascensão do marxismo. Por último, mostra a literatura da “época da classe média”: de Balzac aos parnasianos, do realismo ao naturalismo, até à conversão do naturalismo e o romance psicológico. No terceiro volume, é apresentada a atmosfera intelectual, social e literária do fin du siècle, que propiciou o surgimento do Simbolismo em meio à “época do equilíbrio europeu”, como denominada pelo autor. Sua análise vai de Mallarmé a Nietzsche, seguindo para o Esteticismo de Wilde, a poesia de Rimbaud e o Modernismo espanhol, para em seguida abranger, ainda que na forma de um “esboço”, as vanguardas européias e as revoltas modernistas do período da Primeira Guerra Mundial: partindo de Joyce, passa por Proust e prossegue até chegar às obras de Kafka. Por fim, são analisadas as tendências contemporâneas à Segunda Guerra Mundial, presentes tanto na literatura estrangeira — nas obras de Saint-Exupéry, Gabriel García Márquez e Camus —  quanto na nacional — na poesia de Carlos Drummond de Andrade e nos romances de Guimarães Rosa. "