Sempre Uma Escolha: Minha Jornada Contra o Medo, o Preconceito e a Má Política

Rigoni, Felipe
HISTORIA REAL

49,90

Estoque: 20

Jovem deputado federal compartilha sua história de superação e sua experiência na gestão pública    Em 2018, Felipe Rigoni foi a maior surpresa política do Espírito Santo. Aos 27 anos, sem nunca ter exercido um cargo eletivo, recebeu 84.40 5 votos, tornando-se o segundo deputado federal mais votado do estado e a primeira pessoa cega a ser eleita para o Congresso Nacional. Sua campanha incorporou a ousadia e o pioneirismo que marcaram sua trajetória. Diagnosticado aos 6 anos com uma doe nça degenerativa nos olhos, desde cedo ele teve de superar as limitações impostas pela cegueira progressiva — que se tornaria total aos 15 anos. Rigoni se especializou em quebrar barreiras e superar expectativas. Convenceu os pais de que deveria curs ar a faculdade de engenharia de produção em outro estado, longe da proteção familiar, e se tornou o primeiro cego a estudar em tempo integral na Universidade Federal de Ouro Preto. Para aprimorar o inglês, foi mais longe e fez um intercâmbio nos Esta dos Unidos. Movido por um desejo profundo de contribuir para seu país, decidiu “estudar para ser um bom político”, conquistou uma bolsa e foi aceito para o prestigioso mestrado em políticas públicas na Universidade de Oxford. Como trabalho de conclus ão, propôs sua candidatura a deputado federal. A cada desafio, Felipe travava uma batalha íntima com um sentimento constante. “O medo está presente em quase tudo o que faço, até hoje, ainda que em menor medida. Não enxergar assusta. Só tem uma coisa que é um tiquinho maior do que o medo na minha vida: a vontade de evoluir, de dar certo.” Em Sempre uma escolha, Felipe Rigoni relata sua experiência no Congresso e sua crença numa política livre de dogmas e fundamentada nas melhores práticas. Libera l na economia, ele acredita que uma política voltada para igualdade de oportunidades, combate aos privilégios e incentivo ao empreendedorismo representa a forma mais eficaz de combate à terrível desigualdade que marca o país. No prefácio do livro, o renomado economista Marcos Lisboa afirma que a sua geração falhou na construção de um país mais próspero e menos desigual, mas que jovens como Felipe Rigoni resgatam “a esperança de que a nova geração possa ser diferente”.