Goethe o libertador: e outros ensaios

Ortega y Gasset, José
ILUMINURAS

65,00

Estoque: 20

  In solchem Sinne war ich Meister von niemand. [Wenn ich aber aussprechen soll, was ich den Deutschen überhaupt, besondes den jungen Dichtern geworden bin,] so darf ich mich wohl ihren Befreier nennen.Em certo sentido, nunca fui mestre de ningu ém. [Mas se eu fosse expressar o que sou para os alemães em geral, e especialmente para os poetas jovens] aí, sim, permito-me chamar de seu libertador.Johann Wolfgang von Goethe   Goethe é o clássico que por sua vez viveu dos clássicos, o protót ipo do herdeiro espiritual, coisa de que ele mesmo se deu tão clara conta (...) ademais, se todos os clássicos o são, em definitivo, para a vida, ele pretende ser o artista da vida, o clássico da vida. Deve, pois, com mais rigor que nenhum justificar -se ante a vida.José Ortega y Gasset   “(...) isto é o que por detrás das significações histórico-literárias quer dizer romantismo: o descobrimento pré-conceitual de que a vida não é uma realidade que tropeça com mais ou menos problemas, mas sim que consiste exclusivamente no problema de si mesma.José Ortega y Gasset   “Fausto quer uma segunda vida porque está insatisfeito com a primeira, mas o fato é que ao entrar naquela e voltar a ser jovem parece ter esquecido o que já tinha vivido , de modo que não é propriamente uma segunda vida”.José Ortega y Gasset   O sentimento de solidão de Fausto está ligado ao significado da palavra liberdade nos tempos de Goethe. Esse sentimento de solidão é parelho aquele manifestado por Edgar A llan Poe, do poema “Alone” que é unicamente correspondido na perfeita individualização do artista, exposto na peculiaridade dos seus modos e trejeitos. Há uma personagem no livro Of human Bondage, de Somerset Maugham, um poeta, Cronshaw, que utiliza roupas escuras e sempre fica em um canto de bar, bebendo e fumando rodeado de jovens estudantes. Fausto também vai para uma Taverna, com Mefistófeles, juntar-se com jovens universitários. Poe fazia o mesmo, vestindo roupas pretas — e ao avesso —, tom ando vinho nas tavernas, tudo auxiliado pela dança do ópio. Alvares de Azevedo, ironicamente, retoma Goethe de Os sofrimentos do Jovem Werther, no belíssimo poema “É ela. É ela. É ela. É ela! É ela”.   (...) “Todo romantismo foi poesia e atitude , e por isso sobrevive nos poetas atuais. Essa atitude romântica encontra seu complemento na individualização, na força da palavra e da magia, para revelar um “ser” que “se enxerga”, como mais tarde Oscar Wilde “entenderá”, como persona, uma personal